quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Um pequeno favor de Darcey Bell

     Opinião: Depois de ter andado pelos romances pensei que um policial seria o ideal para continuar com as minhas leituras. Assim sendo peguei, por conselho da Vera Brandão, a Menina dos policiais (Grande blog) neste Um pequeno favor de Darcey Bell.
    O livro conta a história de Emily, da sua melhor amiga Stephanie e do marido da primeira, o britânico Sean. Sendo amigas Emily pede a Stephanie que quando for à escola buscar o seu filho traga também o dela pois teria de trabalhar até mais tarde. Este tipo de pedido, ainda mais sendo os rapazes também melhores amigos, não tem nada de especial. O problema é que Emily desaparece, não atende o telefone, não responde aos SMS, nada, e Sean encontra-se no Reino Unido em trabalho, pelo que Stephanie não sabe o que fazer. Aproveita um blog que tem para jovens mães como ela e pede conselhos. Mas a verdade é que o pai de Nicky regressa, mas a mãe continua desaparecida.
   Obviamente que a história se complica até porque as três personagens principais revelam-se pessoas problemáticas, com segredos perigosos de revelar, podendo mesmo pôr em causa a sua posição social e legal. De referir que as personagens femininas são muito mais desenvolvidas e a sua complexidade de raciocínio e de quase construção de uma realidade paralela, acaba por as tornar bastante malévolas, mas, simultaneamente, bastante interessantes.
     O livro é escrito a duas vozes, a das amigas, passando a três na parte final do livro, onde Sean surge também como narrador. Eu gosto deste tipo de livros, pois podemos ter a visão do mesmo assunto por parte das diferentes personagens. Isso torna a leitura enriquecedora e faz com que possamos ser alertados para pontos de vista e análises que não faríamos sem essa chamada de atenção.
     A leitura é avassaladora, sendo bastante difícil parar de ler, pois as situações alteram-se a cada instante e são, por vezes, tão diabólicas que queremos saber como se poderão resolver. Em determinados momentos este livro torna-se aterrador pois as situações são perfeitamente insólitas, mas, no entanto, plausíveis, o que nos faz esperar tudo no que respeita ao comportamento das personagens. É interessante verificar que um livro, que gira à volta de três personagens, pois as outras, na sua maioria, podem ser consideradas figurantes, tem um ritmo tão célere e avassalador.
     É um livro a não perder para quem gosta de thrillers. Não tem heróis, pois na verdade todos acabam por ter os seus pecados, nada pequenos e onde não falta a perca da dimensão moral da vida. Mas é um livro que tem pessoas, os seus segredos e a sua forma de lidar com eles.

Sinopse: Ela é a tua melhor amiga.
E conhece todos os teus segredos.
Por isso é tão perigosa.
 

A vida de uma mãe sozinha desmorona-se quando a sua melhor amiga desaparece, neste thriller arrepiante, na linha de Em Parte Incerta e A Rapariga no Comboio.

     Tudo começa com um pequeno favor, um gesto que as mães de bom grado fazem umas pelas outras.            Quando Emily pede à melhor amiga que lhe apanhe o filho nas escola, Stephanie nem hesita. Tal como elas, os seus filhos são melhores amigos.
     Stephanie é viúva e trabalha a partir de casa, no seu blog. Vivia uma vida solitária até conhecer Emily, uma sofisticada executiva com um trabalho muito exigente em Manhattan. 
     Só que Emily não regressa. Não atende o telefone nem responde aos sms da amiga. Stephanie sabe que aconteceu algo de terrível e, alarmada, recorre aos leitores do seu blog para pedir ajuda. Contacta também o marido de Stephanie, o belo Sean, para lhe dar apoio emocional. É o mínimo que pode fazer.
     Acabam por receber notícias terríveis.
     Mas serão verdadeiras? Stephanie não tarda a dar-se conta de que nada é tão simples como parece, nem sequer um pequeno favor.