segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Pablo Escobar - pela Isabel de Almeida

“Pablo Escobar, o que o meu pai nunca me contou”, de Juan Pablo Escobar
Planeta

Texto e Foto: Isabel de Almeida | Crítica Literária | Jornalista

Pablo Escobar, o que o meu pai nunca me contou, é o mais recente livro de cariz biográfico e documental escrito por Juan Pablo Escobar (agora, Juan Sebastián Marroquin Santos), filho do célebre traficante Pablo Escobar. nesta segunda obra o autor desvenda, na sequência de uma apurada investigação por si realizada, tendo por base documentação e testemunhos reais de familiares de vítimas do pai, de aliados e colaboradores próximos do mesmo e até de inimigos assumidos de Escobar, uma série de factos que constituem uma verdadeira pedrada no charco em termos de revelações dos meandros mais obscuros das ligações entre Pablo Escobar e os mundos da política, da corrupção internacional ao mais alto nível, e de organizações que deveriam zelar pela segurança de países e pelo combate ao crime organizado, mas que acabaram, muitas vezes, a revelar-se aliados e cúmplices do mesmo (clamoroso exemplo é, neste caso, a DEA).
O próprio autor reconhece a sua estupefacção ao descobrir muitos destes novos detalhes, mas conseguiu também, com o seu trabalho de investigação, fruto de uma enorme coragem de enfrentar um passado que transporta uma herança deveras pesada, desmistificar alguns factos que eram tidos como certos, e clarificar a prática de crimes que vinha sendo imputada a Pablo Escobar, mas de forma errónea mas conveniente a várias alianças e jogos de interesses obscuros.
O livro relata também ligações entre Escobar e pessoas ou organizações que se revelaram surpreendentes e eram, até agora, desconhecidas até dos seus familiares mais próximos, pois cabe recordar que o narcotraficante era uma figura repleta de ambiguidades, e protegia o mais possível a família do seu modo de vida ilícito.
Ficamos a conhecer o relato de Aaron Seal, filho do Barry Seal (piloto da CIA, informador da DEA e colaborador do Cartel de Medellín, tendo a sua execução sido ordenada por Pablo Escobar, na sequência de haver descoberto uma traição ao Cartel), temos acesso a conversas mantidas entre Juan Pablo Escobar e outras figuras de relevo na história da família Escobar, do narcotráfico e da própria Colômbia. É revelador e interessante ir desvendando os relatos de pessoas tão díspares como: filhos de vítimas de Escobar;William Rodríguez Abadia, filho de Miguel Rodríguez Orejuela, um dos mais firmes inimigos de Pablo Escobar; Otty Patiño, um dos fundadores da organização revolucionária M19 ( que clarificou episódios como o da Espada de Bolívar e do rapto de Marta Nieves Ochoa, ou o verdadeiro papel dos irmãos Castaño no assassinato de Carlos Pizarro); velhos colaboradores de Pablo como o Malévolo; Luca, Quijada (Tesoureiro de Escobar).
Como já havia sido feito no primeiro livro, Juan Pablo Escobar voltou a exercitar na perfeição o seu  dom de envolver os leitores na história que vai relatando, entretecendo de forma natural e bastante hábil factos e emoções, e não se escusando a expressar as suas opiniões bastante claras e fundamentadas acerca do mundo do narcotráfico onde lhe coube viver sem direito a escolha e por inerência da história familiar. O autor usa um discurso claro, detalhado e bem fundamentado com documentos e testemunhos, que complementa com a sua perspectiva pessoal e mais intimista acerca dos duros temas aqui esmiuçados.
O capítulo 12 da obra é, talvez, aquele que poderá suscitar a curiosidade de uma ainda maior galeria de leitores, na medida em que o autor demonstra a sua preocupação perante a imagem idealizada e até mesmo glorificada do modo de vida de um barão da droga (como foi o seu pai), podendo induzir em erro os mais jovens espectadores das narcosséries (séries que, misturando ficção e realidade, se inspiram na vida de figuras do mundo do crime como Pablo Escobar). Neste capítulo do livro Juan Pablo Escobar desmonta peça a peça muitos dos erros da série Narcos (série televisiva produzida pela Netflix e que, nas duas primeiras temporadas, apresenta uma versão ficcionada da vida de Pablo Escobar), em 28 pontos cuja leitura recomendamos a quem, como nós, tenha seguido a série em questão, e que assim pode criticamente formar a sua própria convicção sobre o tema abordado.
O final do livro volta a afirmar taxativamente a perspectiva pessoal do autor quanto ao consumo e tráfico de drogas, apelando a que não seja  seguido o exemplo do seu pai, e desejando que as futuras gerações possam encontrar medidas que permitam controlar este perigo à escala mundial, sendo necessária uma mudança de mentalidades aos níveis social, político e pessoal que, a avaliar pelos números envolvidos no tráfico e consumo de drogas, ainda estará muito longe de se concretizar, até porque se trata de um assunto muitíssimo complexo e que envolve diversos sectores da sociedade.
Mais uma vez, uma obra de não-ficção de fácil, envolvente e rápida leitura, bastante reveladora e surpreendente, que pode constituir um importante alerta para um dos graves problemas de adição que ainda hoje enfrentamos em todo o mundo.

Ficha Técnica do Livro:

Título: Pablo Escobar, o que o meu pai nunca me contou
Autor: Juan Pablo Escobar
Editora: Planeta
1ª Edição: Abril de 2017
Nº de Páginas: 200
Classificação: 5|5 Estrelas

Género: Biografia | Testemunho | Caso Real