domingo, 27 de agosto de 2017

Os cinco herdeiros de Elizabeth Adler

     Opinião: Elizabeth Adler é uma autora que descobri há uns anos e nunca mais deixei de ler os seus livros. Por isso, quando apareceu Os cinco herdeiros nem as 648 páginas conseguiram assustar-me.
     Mas este é um livro diferente. Na verdade, fiquei com a sensação que o estilo da Adler se tinha alterado. Se me tivessem apresentado a obra sem saber o autor mais facilmente teria dito que se tratava de um livro da Lesley Pearce, ou mesmo da Sveva. Nada contra. Só elogios.
     Este livro conta a história da vida de Poppy, desde antes desta nascer até à sua morte. Em capítulos intercalados temos a procura dos seus herdeiros, sendo cinco os candidatos possíveis, e a sua história de vida. O advogado responsável pelo testamento tem, ainda, a ajuda de um jornalista/ escritor que acaba por se envolver na construção do passado da velha senhora, e no presente dos supostos herdeiro.
     E durante as imensas páginas que constituem o livro, a autora dá-nos a imagem de mais ou menos um século, entre os anos 60 do século XIX até à mesma década do século XX, começando na Califórnia e nos seus primeiros habitantes, passando pela Itália e a afirmação das Famílias da máfia, até à boémia de Paris, incluindo os tempos mais negros da primeira guerra mundial. Paralelamente temos um tempo presente, muito próximo do nosso, onde se vão construindo os cenários para o herdeiro ou herdeiros.
   As personagens, quer as do passado, quer as do presente, estão brilhantemente construídas, criando uma imagem credível, mesmo nas menos simpáticas, em que as suas ações e atitudes, muitas vezes não são previsíveis. O certo é que as teias que são tecidas acabam por se encontrar num fio condutor que desagua numa história interessante e fiável. Aquelas pessoas são figuras sociais que sabemos que existiram, ou existem, e que foram em muitos casos condicionadas pelas suas vivências e pelas atitudes morais que eram, ou são, espectáveis em determinados meios ou grupos.
     Quanto aos espaços e às referências históricas nada é deixado ao acaso, sendo a descrição feita de acordo com as épocas ou com os acontecimentos que contextualizam as vidas das personagens. A leitura é fluida e atraente, não sendo nunca massuda ou aborrecida. Embora seja um livro com muitas páginas, nenhuma poderia ser tirada e não é, de todo, um impedimento para a motivação de continuar com a leitura.
     Trata-se, pois, de um livro muito bom, muito interessante, que não sendo o típico da autora, não defrauda as expectativas de quem é sua leitora habitual. Pelo contrário. Na minha opinião este é, sem margem para duvidas, um dos livros mais interessantes de Elizabth Adler, senão mesmo o mais interessante. Esperemos pois pelo próximo. 

Sinopse: MUITO DINHEIRO. Poppy Mallory cresceu em circunstâncias infelizes, e sempre rodeada de pessoas duvidosas. Foi à custa de muito sofrimento que conseguiu singrar na vida. Na hora da morte, pretendia apenas uma coisa: deixar a sua fortuna – de milhões de dólares – à pessoa que conseguisse provar ser sua descendente. Há muitas mentiras.Quando o jornalista de investigação Mike Preston se propõe descobrir a verdadeira identidade do herdeiro, percebe que tem pela frente uma tarefa tremenda. É que, da Califórnia a Veneza e Paris, a vida de Poppy aparenta ser uma sucessão de desencontros e amores perdidos. Há muitas esperanças.São cinco as pessoas que se apresentam como legítimas herdeiras de Poppy, todas elas desesperadas por deitar a mão à vasta fortuna... e todas elas capazes de TUDO para o conseguir.


Sem comentários:

Enviar um comentário